Projeto Cisterna nas Escolas realiza formação com professoras/es de Aquiraz e Cascavel

O dia 14 de dezembro amanheceu nublado. Para nós cearenses, é um dia bonito! É anúncio de chuva, que sempre nos brinda com sinais de fartura e bem viver. E nesse dia também aconteceu em Aquiraz, o primeiro módulo de educação contextualizada com professoras e professores de escolas rurais contempladas com o projeto Cisternas nas Escolas daquele município e também de Cascavel.

Realizar qualquer atividade com educadoras/es requer preparo e cuidado minucioso. Afinal, essas pessoas não só estão qualificadas tecnicamente como também suas vivências são repletas de ensinamentos. Para isso, elaboramos um pequeno roteiro de atividades que permite complementações e sugestões de atividades. Pra começar, a apresentação se deu através da dinâmica “Quem sou eu?” onde cada participante recebeu uma cédula de identidade onde descrevia um pouco de si (minha cor favorita, pessoas que amo, onde nasci, uma frase, entre outros). Daí, as outras pessoas tinham que adivinhar quem era. Tudo isso pra revelar as inúmeras coisas com as quais nos identificamos e que muitas vezes não expomos.

Em seguida, fizemos uma viagem ao túnel do tempo sobre a história dos movimentos sociais, o nascimento da ASA – Articulação Semiárido Brasileiro, os períodos de seca nos finais das décadas de 80 e 90, como surgiram as cisternas, os fóruns de convivência com o semiárido, o fortalecimento das organizações populares, o nascimento e missão da Obas, contextualizando com os tempos atuais. Também foram apresentados os programas e projetos que trazem as tecnologias sociais como direito da população, entre eles as cisternas de placas, casas de sementes, projeto de reuso das águas e, claro, as cisternas nas escolas.

Metodologia

Característico em nossas ações, o círculo permite olhar no olhar, o infinito, o movimento e democratização das palavras.

Os temas abordados nesse primeiro encontro foram: Contexto político atual, Gênero – divisão justa do trabalho doméstico, Violência contra as mulheres e Direitos humanos.

Com um vídeo específico para cada tema, os debates trouxeram muitas reflexões pertinentes, entre as quais as dificuldades para abordá-los com as famílias. Entretanto, ninguém se opôs a contribuir com estratégias de diálogo e elaboração de metodologias que tragam de forma simples e direta o debate nas escolas sobre esses temas.

Vídeo da Campanha pela Divisão Justa do Trabalho Doméstico

Realizar um encontro como esse dentro de uma escola tem um significado especial. Afinal, nesses espaços em que se constroem saberes, renovam-se também os nossos respiros, nossos desejos por transformações e constante luta pelo bem viver.

Sigamos…

Projeto Cisterna Escolar –  
Financiado pelo Governo do Estado do Ceará, através da SDA –
Secretaria de Desenvolvimento Agrário, é executado pela Obas em quatromunicípios cearenses: Aquiraz, Cascavel, Guaiúba e Maranguape,
contemplando 17 escolas rurais com cisternas de placas com capacidade de armazenar 52 mil litros de água da chuva. Além da tecnologia social, o projeto realiza encontros comunitários, formação com as merendeiras, auxiliares e profissionais da educação sobre temáticas relacionadas à
educação contextualizada, direitos humanos e agroecologia.
Para a realização do projeto, contamos ainda com a parceria das
prefeituras dos municípios citados através das secretarias de educação e das comissões municipais, que tem papel fundamental na mobilização,
cadastramento e acompanhamento do projeto.